QUINTA DAS PEDRAS ALVAS

WhatsApp Image 2020-07-06 at 15.36.39.jp
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom

       O terreno no qual pretendemos intervir tem uma área de 35000m2 onde existe uma construção descrita como “arrecadação com um piso destinada a arrumos das alfaias agrícolas”. 

      A nossa área de intervenção enquadra-se na estrutura ecológica fundamental, que “compreende as áreas que asseguram a biodiversidade e o funcionamento da paisagem, constituindo o suporte de sistemas ecológicos fundamentais de elevado interesse nacional, bem como recursos naturais que, pelo seu inquestionável valor, devem ser salvaguardados de usos passiveis de conduzir à sua destruição e degradação de modo irreversível”. Desta forma, justificamos a nossa reabilitação como ação de salvaguarda do património vernacular pré-existente que faz parte do Alto Douro Vinhateiro.

       Mantemos as características e materiais tradicionais típicos do “cardanho”, tais como as paredes exteriores em alvenaria de pedra natural em xisto, o telhado cerâmico e os barrotes de madeira de suporte da cobertura inclinada. A nossa proposta visa reabilitar e manter o enquadramento dos “cardanhos” no Alto Douro e a estética da sua paisagem, não afetando a área envolvente sob o ponto de vista paisagístico, ambiental e funcional.

      A nossa proposta de reabilitação de “cardanho” de apoio agrícola para conversão em fim habitacional tem por objetivo ser uma moradia unifamiliar e apenas para residência própria e permanente dos proprietários-agricultores.

  

     Deparamo-nos com uma pré-existência de apoio agrícola que conjuga dois volumes contíguos e interligados, um em alvenaria em pedra natural de xisto, com cobertura inclinada de uma água em telha cerâmica, e um segundo volume de dimensões mais reduzidas, completamente construído em blocos de cimento e com cobertura plana no mesmo material. A proposta que pretendemos materializar engloba os dois volumes também de forma distinta.

        Para primeiro volume, em xisto, propomos a limpeza e manutenção dos seus paramentos a nível interior e exterior, realizando a manutenção deste material tradicional que tão bem o caracteriza. A cobertura em telha cerâmica será reestruturada e substituída por uma nova, em telha canudo à cor natural. Também a estrutura tradicional da cobertura, em barrotes de madeira, será recuperada o tanto quanto possível.

       A nível de fachada, propomos a abertura de dois vãos (apresentados em peças desenhadas), para que o interior da habitação possa receber mais iluminação e ventilação natural e que seja possível ter uma maior relação visual com a paisagem duriense.

       No interior, pretendemos construir uma cozinha e uma sala em “open-space”, com o intuito de não criar divisórias num espaço que por si já é de área reduzida. Tirando partido do vão do telhado propomos, em cima da cozinha, criar uma “mezanine” para arrumação.

        Para o segundo volume, em cimento, propomos a sua total reconstrução em alvenaria de betão à vista, com isolamento pelo interior da fachada. Dada a reduzida cércea deste volume (2 m), pretendemos subir o mesmo para uma altura habitável (2,80 m). Consideramos abrir um novo vão, para que o espaço interno possa ser habitável e ter acesso a iluminação e ventilação natural, transformando um espaço destinado a arrumos num quarto. Neste volume projetamos também uma instalação sanitária comum a toda a habitação, equipada com lavatório, chuveiro e sanita.

          A cobertura deste volume deverá manter-se plana, tal como a pré-existente, com as condições necessárias para se tornar numa cobertura ajardinada, albergando a vegetação espontânea típica da região, como sendo a esteva e o alecrim. Desta forma este volume fica encastrado no desnível do terreno, sendo impercetível pela vista do lado da estrada de acesso.